INICIO > ESPÉCIES DO BRASIL > GAVIÃO-MIUDINHO  

Gavião-miúdinho
Accipiter superciliosus (Linnaeus, 1766)

Ordem: Accipitriformes
Família: Accipitridae
Grupo:
Açores

Nome em inglês: Tiny Hawk
Habitat:
Florestas e borda de matas
Alimentação:
Pequenos vertebrados


Distribuição no Brasil:



Status: (LC) Baixo risco


Macho adulto. Reserva de Porto Alegre, Manaus/AM.
Novembro de 2010. Foto:
Andrew Whittaker

Vocalização típica (A) - (gravado por: Joseph Tobias)

Apesar de pequeno, é um astuto predador de pássaros, sendo rápido em suas investidas. É também um afamado predador de beija-flores, geralmente supreendendo-os em seus poleiros enquanto estão descansando. É um gaviões mais subamostrados do Brasil, bastante discreto e arisco. Costuma ser encontrado em florestas primárias e secundárias e bordas de matas. Também conhecido como tauató-passarinho.

• Descrição: Mede de 24 a 27 cm de comprimento, peso médio de 75 g (macho) e 115-134 g (fêmea) (Bierregard & Kirwan 2013). Apresenta plumagem marrom escuro na cabeça e nuca, com dorso acinzentado e partes inferiores branco com finas barras acinzentadas. As fêmeas são similares aos machos e alguns indivíduos podem apresentar padrão de plumagem "rufo" (Mikich & Bérnils, 2004; del Hoyo et al. 1994). Olson (2006) argumenta esta espécie não pode ser classificada ao gênero Accipiter, devido a alguns caracteres osteológicos. O autor sugere que esta espécie seja classificada em outro gênero, o Hieraspiza.

• Alimentação: Caça pequenas aves, como pica-paus (Piculus), beija-flores (Trochilidae) e chocas (Thamnophilidae) (Bierregard & Kirwan 2013; Carrano & Straube 2014). Também caça insetos, roedores e pequenos lagartos (Bierregard & Kirwan 2013; D'Affonseca, 2012). Sua estratégia de caça principal consiste em aguardar a presa a partir de um poleiro, oculto no meio da vegetação, lançando-se rapidamente em perseguição (Mikich & Bérnils, 2004; Del Hoyo et al. 1994). Gosta de caçar em horários de crepúsculo, surpreendendo beija-flores em seus poleiros, quando estão distraídos arrumando a plumagem ou em banho de sol, emboscando-os previamente (Sigrist, 2009). Stiles (1978) sugere que a espécie seja um destacado especialista na captura de beija-flores (Trochilidae), porém, outros autores contestam essa especialização (Carrano & Straube 2014).

Na Argentina, Militelo (2005) observou um indivíduo perseguir um bem-te-vi (Pitangus sulphuratus). No Brasil, Costa & Vargas (2011) registrou um indivíduo atacando de forma bem sucedida, um pica-pau-dourado-escuro (Piculus chrysochloros) entre um bando misto de aves.

• Reprodução: Coloca de um a três ovos. Na Venezuela já foi registrado utilizar um ninho abandonado de gavião-belo Busarellus nigricollis (Márquez et al. 2005).

• Distribuição Geográfica: Ocorre da América Central à Argentina, incluindo grande parte do Brasil. Em nosso país, ocorre na região setentrional (Amazônia) e oriental, indo do Maranhão a Santa Catarina (Sick, 1997; del Hoyo et al. 1994) e no extremo noroeste do Rio Grande do Sul.

• Subespécies: São conhecidas duas subespécies. A. s. fontanieri: Ocorre do Nicarágua ao sul, ocidente da Colômbia e Equador. A. s. superciliosus: Oriente dos Andes desde Colômbia, Venezuela (exceto região nordeste do país) até Guiana. Também do sul do Equador, oriente de Peru, Bolívia, Paraguai, norte da Argentina e por quase todo o Brasil (del Hoyo et al. 1994).

• Status nas listas vermelhas estaduais:

  Paraná: Dados desconhecidos (Mikich & Bérnils, 2004).
  Santa Catarina: Vulnerável (Consema 2011).

• Hábitos/Informações Gerais: Habita o estrato médio de florestas primárias e secundárias, mas é visto sobrevoando clareiras e plantações. Tem comportamento solitário, mas os casais podem permanecer juntos durante o ano todo (Sick, 1997). Devido ao pequeno tamanho, hábitos estritamente florestais e comportamento tímido, evadindo-se rapidamente entre a vegetação, conta escassos e pontuais registros no país, sugerindo ser um gavião raro ou subamostrado (Santos et al. 2009; Carrano & Straube 2014).



Palmeirante/TO, Abril de 2012.
Foto:
Mariana Vabo

Indivíduo adulto. Serra do Navio/AP, Julho de 2016.
Foto: Wirley Almeida


Indivíduo predando rolinha-roxa (Columbina tapalcoti). Araguatins/TO, Maio de 2012.
Foto: Cristóvão Silva

Indivíduo adulto. Antonina/SP,
Setembro de 2012.
Foto:
Roberto Cirino



:: Página editada por: Willian Menq em Nov/2016. ::



• Referências:

Alves, M. A. dos S., J. F. Pacheco, L. A. P. Gonzaga, R. B. Cavalcanti, M. A. Raposo, C. Yamashita, N. C. Maciel & M. Castanheira (2000) Aves, 113-124 In: H. de G. Bergallo, C. F. D. da Rocha, M. A. dos S. Alves e M. Van Sluys (orgs.) A fauna ameaçada de extinção do estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Bierregard-Jr R. O. The biology and conservation status of Central and South American Falconiformes: a survey of current knowledge. Bird Conservation International, v. 5, p. 325-340, 1995.

Bierregaard, R.O., Jr & Kirwan, G.M. (2013) Tiny Hawk (Accipiter superciliosus). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.) (2013). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona.,

Carrano, E. & Straube, F. C. (2014) Sobre a distribuição e conservação de Accipiter superciliosus (Linnaeus, 1766) no estado do Paraná. Atualidades Ornitológicas Online, 177: 33-39.

Costa, T.V.V., and C.F. Vargas. 2011. Tiny Hawk Accipiter superciliosus attacking a Golden-green Woodpecker Piculus chrysochloros in central Amazonian Brazil. Cotinga 33:134-136.

Conselho Estadual do Meio Ambiente (CONSEMA) (2011) Resolução   nº02/2011—Reconhece a lista oficial de espécies da fauna ameaçadas de extinção no Estado de Santa Catarina e dá outras providências. Florianópolis: CONSEMA/ SDS.

D'Affonseca, A. (2012) [WA642528, Accipiter superciliosus (Linnaeus, 1766)]. Wiki Aves. Disponível em: . Acesso em: 22 de janeiro de 2013.

Del Hoyo, J.; ELLIOTT, A.; SARGATAL, J. Hand-book of the birds of the world. v. 2. Barcelona: Lynx Edicions, 1994.

ICMBio, 2008. Plano de ação nacional para a conservação de aves de rapina / Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Coordenação-Geral de Espécies Ameaçadas. – Brasília: 136 p. ; il. color. : 29 cm. (Série Espécies Ameaçadas, 5).

Márquez, C., Gast, F., Vanegas, V. & M. Bechard. 2005. Aves Rapaces Diurnas de Colombia. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. 394 p.

Menq, S. (2011) Aves de Rapina Brasil - Espécies Fantasmas. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/materias/especies_fantasmas.htm > Acesso em: Setembro de 2011.

Mikich, S.B. & R.S. Bérnils. 2004. Livro Vermelho da Fauna Ameaçada no Estado do Paraná. Disponível em: > http://www.pr.gov.br/iap. Acessado em: 31 mar 2010.

Olson, S.L. 2006. Reflections on the systematics of Accipiter and the genus for Falco superciliosus Linnaeus. Bulletin of the British Ornithologists' Club 126:69-70.

Santos, R.E.F, P. Scherer-Neto & J.L.B. Albuquerque (2009) Gaviões: Família Accipitridae, p. 167-196. In: IAP (Instituto Ambiental do Paraná). Planos de Conservação para espécies de Aves Ameaçadas no Paraná. Curitiba: IAP/Projeto Paraná Biodiversidade

Sick, H. 1997. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro. Ed. Nova Fronteira.

Stiles, F.G. 1978. Possible specialization for hummingbird-hunting in the Tiny Hawk. Auk 95:550-553.

• Site associado: Global Raptor Information Network (em inglês)

 

• Citação recomendada:

Menq, W. (2016) Gavião-miudinho (Accipiter superciliosus) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/accipiter_superciliosus.htm > Acesso em: