< Gavião-de-cauda-curta | Uiraçu >  
 

Gavião-urubu Buteo albonotatus (Kaup, 1847)
Ordem: Accipitriformes | Família: Accipitridae | Monotípica


Indivíduo adulto. Foto: Jose Silverio Lemos

Espécie normalmente encontrada em voo, sua silhueta, cor e forma de voar se assemelha aos urubus do gênero Cathartes, podendo ser confundido com eles em voo. Além de se parecer com um urubu, também voa como um, assim consegue enganar suas presas e capturá-las com mais facilidade. De ampla distribuição, ocorre em grande parte do Brasil, habita áreas campestres e rupestres. Conhecido também como gavião-de-rabo-barrado.


Descrição:
Mede de 45-56 cm, peso de 607–667 g (macho) e 845–937 g (fêmea) (Bierregaard & Kirwan, 2013). Adulto apresenta plumagem preta com duas faixas cinza na cauda, íris castanho-escuro e tarsos e cera amarelo (Sick, 1997). Jovem é similar ao adulto, porém, apresenta pequenas pontos brancos salpicados nas partes inferiores, além das barras da cauda indefinidas.

Espécies similares: Sua cor e forma de voar se assemelham à do urubu-de-cabeça-vermelha (Cathartes aura), diferenciando-se pelo padrão de barras da cauda. Também é frequentemente confundido com o gavião-de-cauda-curta (Buteo brachyurus) na forma escura. B. albonotatus diferencia-se pelas asas retangulares, e padrão de barras da cauda, com uma faixa branca mais larga que as demais. Pousado, B. albonotatus pode ser identificado pelo corpo mais robusto e alongado, "supercílio" amarelo bem destacado, além das diferenças nas barras da cauda.

Dieta e comportamento de caça: Alimenta-se principalmente de aves e mamíferos, mas em algumas regiões da América do Norte têm sido observado alimentando-se particularmente de pequenas lagartixas. No México 38% dos itens alimentares de um estudo foram aves, 19% répteis e 43% mamíferos (Del Hoyo, 1994). Como principal técnica de caça, fica voando sozinho ou junto a urubus e quando localiza uma presa mergulha para capturá-la.

Reprodução: Conforme observado na América do Norte, não há preferência por uma espécie arbórea para construção do ninho, podendo este se localizar entre 4 e 23 metros de altura. Em média, coloca de um a três ovos, com período de incubação se prolongando por 35 dias e os filhotes saindo do ninho entre 42 e 50 dias.

Distribuição Geográfica: Espécie de ampla distribuição, ocorre desde os Estados Unidos, México e América Central até o Equador, Peru, norte da Colômbia e Brasil. No Brasil, ocorre na faixa oriental do norte do país (desde o Amazonas, ao Ceará, Pernambuco, Alagoas, da Bahia até o norte/noroeste do Paraná), e na parte oeste do continente do Paraguai até o norte e oriente da Bolívia.

Habitat e comportamento: Habita preferencialmente áreas abertas, podendo sobrevoar as bordas das matas e florestas. Sua cor e forma de voar se assemelha aos urubus do gênero Cathartes, dessa forma, é facilmente confundido com eles em voo (Sick, 1997). Além de se parecer com um urubu, essa espécie também o imita (mimetismo agressivo), tipo de mimetismo que serve para enganar suas presas e capturá-las, pois ao imitar um urubu as presas não sentem-se ameaçadas e permitem a aproximação do gavião (Sick, 1997).

Movimentos: Espécie residente.


:: Página editada por: Willian Menq em Fev/2018. ::



Referências:

Bierregaard, R.O., Jr & Kirwan, G.M. (2013). Zone-tailed Hawk (Buteo albonotatus). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.) (2013). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona.

Del Hoyo, .J., Elliot, A. E Sargatal, J. (1994) Handbook of the birds of the world (2 v). Bird Life International Lynx Editions, 638p.

Sick, H.1997. Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro. Nova Fronteira.

Site associado: Global Raptor Information Network



Citação recomendada:

Menq, W. (2018) Gavião-urubu (Buteo albonotatus) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/buteo_albonotatus.htm > Acesso em: .



 
 

Distribuição Geográfica:

Status: (LC) Baixo risco

Chamado - (gravado por: Weber Girão)
By: xeno-canto.




Indivíduo adulto.
Estação E. Raso da Catarina, BA.
Foto:
Pedro Figueiredo
 

Indivíduo adulto.
Caucaia/CE, Nov. de 2016.
Foto:
Antonio Tavora
 

Indivíduo jovem.
Araripe/CE, Março de 2015.
Foto: Jefferson Bob