< Gavião-de-cabeça-cinza | Caracoleiro >  
 

Gavião-de-pescoço-branco Leptodon forbesi (Swann, 1922)
Ordem: Accipitriformes | Família: Accipitridae | Monotípica


Indivíduo adulto. Santa Rita/PB. Foto: Kleber Silveira

Gavião genuinamente brasileiro, endêmico das florestas nordestinas. Pode ser encontrado na maioria das áreas florestais preservadas da Mata Atlântica do nordeste, inclusive em áreas verdes inseridas na matriz urbana. Gosta de planar sobre a mata nas horas mais quentes da manhã, solitário ou aos pares. Também chamado de gavião-gato-do-nordeste.


Descrição:
Possui 50 cm de comprimento; Adulto apresenta as coberteiras inferiores das asas brancas, píleo cinza, lados do pescoço brancos, ápice das escapulares, manto e rêmiges esbranquiçados e a cauda com uma larga faixa branca, embora alguns indivíduos apresentam duas faixas pretas na cauda. Alguns indivíduos apresentam um pouco de cinza na porção superior da cabeça, nesse caso difenciando-se do L. cayanensis pela presença do colar nucal branco e coberteiras brancas. O colar não é observado nos adultos de L. cayanensis, porém alguns jovens podem apresentá-lo (Pereira et al. 2006; B. Whitney com. pess. 2006). Jovens possuem fases de plumagem simlares as presentes em L. cayanensis, onde parece haver uma predominância de jovens em formas claras para L. forbesi.

Taxonomia: A validade desse táxon como espécie plena é tema de discussão entre os cientistas, alguns autores consideram a possibilidade de que L. forbesi seja apenas uma variação do L. cayanensis (e.g. Sibley e Monroe 1990, Sick 1997, Mallet-Rodrigues 2005), haja vista que o imaturo desta espécie apresenta um bom número de variações (Brown & Amadon 1968, Foster 1971, Thiollay 1994, Ferguson-Lees & Christie 2001). Pesquisas recentes defendem que L. forbesi seja um táxon independente (Dénes & Silveira, 2009; AOU 2010; CBRO 2013). Dénes & Silveira (2009), analisaram 128 espécimes do gênero Leptodon provenientes de várias partes da América. Com base em diversas evidências morfológicas e morfométricas, os autores concluíram que o L. forbesi é um táxon válido.

Dieta e comportamento de caça: Alimenta-se principalmente de lagartos, lagartixas, aves, insetos e pequenos mamíferos. Na Paraíba, Frederico A. Sonntag (obs. pess.) registrou alguns comportamentos de caça da espécie. Segundo o autor, normalmente o L. forbesi tem atividades de caça no início da manhã, gosta de sobrevoar a floresta a procura de lagartos expostos ao sol, como jovens iguanas (Iguana iguana).

Reprodução: Informações desconhecidas, provavelmente constrói o ninho com gravetos e ramos em forma de plataformas no alto de árvores da mesma forma que L. cayanensis.

Distribuição geográfica: Monotípico, ocorre apenas na região nordeste do Brasil, nas formações florestais dos Estados de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e extremo sul do Rio Grande do Norte.

O conhecimento sobre a área de ocorrência da espécie ainda é incerto, alguns autores afirmam que L. forbesi tem uma distribuição mais ampla, indo desde o Rio Grande do Norte e Sergipe até o norte da Bahia, inclusive coexistindo em algumas regiões da Bahia com L. cayanensis (Seipke et al. 2010, Leite et al. 2017).

Habitat e comportamento: Vive no alto das árvores, de onde observa seu território e localiza suas presas. Frederico A. Sonntag (obs. pess.) relata que este gavião tem preferência por florestas onde haja rio, mas pode ser encontrado em áreas em regeneração e capoeirões maduros, como é o caso da Fazenda Cidade Viva, uma área de aproximadamente 30-50 hectares, onde o autor registrou dois casais. Pereira et al. (2006) registraram uma série de comportamentos de voo da espécie, muito parecidos com os do L. cayanensis (Thorstrom 1997, Cabanne, 2005).

É conhecido originalmente pelo único espécime-tipo, coletado em 1880 e depositado na coleção do British Museum of Natural History, Tring (BMNH), procedente de Pernambuco. Posteriormente, um macho e uma fêmea adultos e uma fêmea subadulta foram coletados em Alagoas e depositados no Museu Nacional do Rio de Janeiro (Teixeira et al. 1987; Ferguson-Lees & Christie 2001).

Movimentos: Espécie residente.

Conservação: A espécie encontra-se ameaçada de extinção, possivelmente em declínio populacional (ICMBio 2014). Nas últimas décadas, as florestas nordestinas foram reduzidas a apenas 1%, os maiores fragmentos que restaram estão em Pernambuco, com área de 45 km², e Alagoas de 30 km², sugerindo que a espécie está em uma situação bastante precária (BirdLife, 2009). Segundo ICMBio (2014) não há mais de 2.500 indivíduos na natureza, acredita-se que entre 95 e 100% dos indivíduos estão em uma única subpopulação.



:: Página editada por: Willian Menq em Jan/2018. ::




Referências:

Dénes, F. V. & Silveira, L. F. (2009) Taxonomia, distribuição e conservação dos gaviões do gênero Leptodon Sundevall, 1836 (Aves: Accipitridae). Início: 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia)) - Universidade de São Paulo, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior.

Foster, M. S. (1971) Plumage and behaviour of a juvenile Gray-headed Kite. Auk 88: 163-166.

Leite, G. A., Santos, T. M., Sampaio, S., Filadelfo, T. & Dénes, F. V. (2017) First documented record of White-collared Kite Leptodon forbesi in Bahia state, Brazil. Cotinga 39, 95-98.

Mallet-Rodrigues, F. (2005) Táxons de aves de validade questionável com ocorrência no Brasil. I – Introdução e lista geral. Ararajuba 13: 210-211.

Pereira, G. A., S. M. Dantas & M. C. Periquito (2006) Possível registro de Leptodon forbesi no Estado de Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia 14(4):441-444.

Roda, S. A.; Pereira, G. A. (2000) Distribuição recente e conservação das aves de rapina florestais do Centro Pernambuco. Revista Brasileira de Ornitologia, v. 14, n. 4, p. 331-344.

Seipke, S. H., Dénes, F. V., Pallinger, F., Thorstrom, R., Thiollay, J., Silveira, L. F. & Clark, W. (2011) Field identification of White-collared Kite Leptodon forbesi and similar looking species in north-east Brazil. Neotrop. Birding 8: 29–39.

Teixeira, D. M., J. B. Nacinovic e F. B. Pontual (1987) Notes on some birds of northeastern Brazil 2. Bull. Brit. Orn. Club. 107: 151-157.

Site associado: Global Raptor Information Network

 

Citação recomendada:

Menq, W. (2018) Gavião-de-pescoço-branco (Leptodon forbesi) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/leptodon_forbesi.htm > Acesso em: .



 
 

Distribuição Geográfica:

Status: (EN) Em perigo

Canto - (gravado por: Ciro Albano)
By: Xeno-canto.




Indivíduo adulto.
Areia/PB, Março de 2017.
Foto:
Luiz Damasceno
 

Indivíduo adulto. Santa Rita/PB.
Foto:
Frederico Acaz Sonntag