INICIO > ESPÉCIES DO BRASIL > GAVIÃO-CABOCLO  

Gavião-caboclo
Heterospizias meridionalis (Latham, 1790)

Ordem: Accipitriformes
Família: Accipitridae
Grupo:
Gaviões-planadores

Nome em inglês: Savanna Hawk
Habitat:
Campos e savanas
Alimentação:
Pequenos mamíferos,
aves e répteis.


Distribuição no Brasil:



Status: (LC) Baixo risco


Indivíduo adulto. Figueirópolis/GO, Agosto de 2016.
Foto: Willian Menq

Vocalização de chamado (A) - (gravado por: Nick Athanas)

Imponente gavião, presente em boa parte do Brasil. Pode ser encontrado em campos, pastagens, borda de alagados, manguezais, borda de matas, sendo mais comum na caatinga e no cerrado. Possui dieta bastante diversificada, caça pequenos mamíferos, aves, cobras, lagartos, rãs, sapos e grandes insetos. Também conhecido por gavião-casaca-de-couro, gavião-telha, gavião-fumaça e gavião-tinga.

• Descrição: Mede de 46-60 cm de comprimento, peso médio de 785-1042 g (machos) e 921-960 g (fêmeas) (Marquez, et al. 2005). A plumagem varia de acordo com a região, de forma geral o adulto é todo marrom-avermelhado, com peito e partes inferiores finamente barradas e dorso escuro. A íris é castanha, com cera e tarsos amarelos. Em voo, é possível notar as asas e cauda margeadas de preto. O jovem apresenta plumagem variada, com dorso cinza-amarronzado, com peito creme, mesclado de marrom, com listras verticais e uma semi-coleira escura, e uma listra-clara sobre os olhos. Indivíduos com 2 anos ou mais, são mais escuros e possui formas de plumagem intermediárias entre jovem e adulto (Antas, 2005; Sick, 1997; Del Hoyo et al. 2004).

• Alimentação: Alimenta-se de pequenos mamíferos, aves, cobras, lagartos, rãs, sapos e invertebrados (Sick, 1997). No pantanal, na baixa das águas pode capturar caranguejos e outros pequenos vertebrados. Costuma seguir queimadas, pousando em galhos à frente do fogo ou caminhando até as chamas bem próximas as labaredas para apanhar pequenos vertebrados ou insetos acuados. Também captura os animais moribundos ou mortos pelo fogo. É territorial, possui um território de caça exclusivo, afastando os outros gaviões, inclusive da mesma espécie, das proximidades (Antas, 2005).

No Pantanal, Olmos et al. (2006) registraram a espécie consumindo caranguejos de água doce (Dilocarcinus pagei e Sylviocarcinus australis); os autores registraram também uma tentativa fracassada de capturar um carão (Aramus guarauna) e investindo contra um grupo de aracuãs (Ortalis canicollis). Camacho et al (2012) observaram a espécie forrageando tanajuras (Atta sp.) em revoada sobre um fragmento florestal em Cachoeiras de Macacu, RJ. O gavião forrageava junto a outros rapinantes (Harpagus diodon, Rupornis magnirostris e Milvalgo chimachima), sem nenhum comportamento agonístico registrado entre as espécies, provavelmente devido à abundância de alimento local e efêmero.

• Reprodução: Constrói o ninho em árvores baixas ou palmeiras (Del Hoyo et al. 1994). Coloca de 1 a 2 ovos brancos, com incubação de aproximadamente 39 dias (Del Hoyo et al. 1994). O filhote fica totalmente emplumado e capaz de voar entre 45 a 50 dias após o nascimento, e ficam dependentes dos pais de 4 a 7 meses (Del Hoyo et al. 1994).

• Distribuição geográfica: Ocorre desde o Panamá até a Argentina, incluindo todo o Brasil, exceto nas regiões densamente florestadas (Antas, 2005; Sick, 1997).

• Hábitos/Informações gerais: Habita campos naturais, pastagens, borda de alagados, manguezais e savanas, podendo aparecer na periferia de áreas urbanas. Costuma pousar sobre árvores, cupinzeiros e mourões de cerca, para caçar ou descansar. Vive solitário ou aos pares, o casal tem o hábito de se comunicar através de um assobio fino, longo e choroso, repetido continuamente. Pode voar alto, aproveitando as correntes de ar quente para planar, ou através de voo ativo (Antas, 2005; Sick, 1997).


Indivíduo adulto no ninho.
Miranda/MS, Dezembro 2015.
Foto: Willian Menq

Adulto junto a dois urubus-de-cabeça-amarela e curicaca.
Foto: Willian Menq

Adulto em voo.
Uberaba/MG, Julho de 2009.
Foto: Davi Leandro


Indivíduo adulto. Rio Grande/RS
Janeiro de 2015.
Foto: Willian Menq

Indivíduo adulto em voo. Sacramento/MG, Julho de 2009. Foto: Vitor Groba

Casal de gavião-caboclo.
Ribeirão Cascalheira/MT, Dez 2013
Foto: Willian Menq


Indivíduo subadulto. Ribeirão Cascalheira/MT, Maio de 2014.
Foto: Willian Menq

Indivíduo jovem em mourão
de cerca. Rio Grande/RS
Foto: Cláudio Dias Timm

Indivíduo adulto em voo.
Iranduba/AM, Janeiro de 2015.
Foto: Isabela R. Alves

 



:: Página editada por: Willian Menq em Fev/2016. ::



• Referências:

Antas, P. T. Z. (2005) Aves do Pantanal. RPPN, Sesc.

Camanho, I.; Honorato, R. S.; Fernandes, B. C.; Boechat, R. F.; Souza-Filho, C. & Kanegae, M. F. (2012) Aves de rapina diurnas forrageando tanajuras (Atta sp.) em revoada em uma paisagem fragmentada de floresta atlântica, sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia, 20(1), 19­21

CBRO - Comitê Brasileiro de Registros Ornitológicos. <www.cbro.org.br> Acesso em Janeiro de 2010.

Del Hoyo, J. e Sargatal, J. (2004) Handbook of the birds of the world v. 9. Barcelona: Lynx Edicions.

Griffiths, C. S. (1994) Monophyly of the Falconiformes based on syringeal morphology. Auk 111: 787-805.

Márquez, C., Gast, F., Vanegas, V. & M. Bechard. (2005) Aves Rapaces Diurnas de Colombia. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. 394 p

Olmos, F., Pacheco, J.F. e Silveira, L.F. (2006) Notas sobre aves de rapina (Cathartidae, Accipitridae e Falconidae) brasileiras. Revista Brasileira de Ornitologia 14(4): 401 - 404.

Sick, H. (1997) Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 862p.

• Site associado: Global Raptor Information Network (em inglês)

 

• Citação recomendada:

Menq, W. (2016) Gavião-caboclo (Heterospizias meridionalis) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/heterospizias_meridionalis.htm > Acesso em: