< Gavião-de-dorso-vermelho | Gavião-pombo-grande >  
 

Gavião-branco Pseudastur albicollis (Latham, 1790)
Ordem: Accipitriformes | Família: Accipitridae | Politípica (4 subespécies)


Indivíduo adulto. Foto: Guto Balieiro

Gavião grande, presente em toda região norte e parte do centro-oeste do Brasil. Vive em florestas densas e cerrado mais arbóreo, onde caça principalmente serpentes. Nas horas mais quentes da manhã pode ser observado planando sobre a floresta. Também conhecido como gavião-pombo-da-amazônia.


Descrição:
Mede de 47 a 51 cm de comprimento, peso de 600-650 g (macho) e 710-855 g (fêmea) (Márquez et. al, 2005). Adulto é todo branco com dorso negro com manchas brancas, cauda curta preta com uma larga faixa terminal branca; íris castanho-escuro, cera cinza-azulado e tarsos amarelo-claras. Sua voz é um assobio fino e longo.

Dieta e comportamento de caça: Sua dieta é composta principalmente por répteis, especialmente serpentes (mais de 50%), mamíferos, aves, insetos e anfíbios. Geralmente caça voando de galho em galho até encontrar suas presas, e então ataca com um voo rápido. Pode seguir macacos para capturar cobras arborícolas ou invertebrados espantados pelos mesmos (Zhang & Wang 2000; Booth-Binczik et al. 2004).

Reprodução: Conta com escassas informações acerca de sua biologia reprodutiva. Segundo estudos realizados no Panamá e Trinidad, o comportamento nupcial inicia-se em fevereiro, com o início da nidificação em março (estação seca), com filhotes na estação chuvosa (Del Hoyo et al. 1994). Constrói ninhos com ramos secos, em forma de plataforma com diâmetro de 50-90 cm, no alto de árvores. Normalmente coloca um único ovo, com período de incubação de 34-36 dias. Após 88 dias, os filhotes já estão totalmente emplumados e apto ao voo. Indivíduos jovens (provenientes da ninhada de um ano anterior) já foram observados nas proximidades do ninho pedindo alimento aos pais, sugerindo que a dependência dos filhotes pode ser longa, com uma reprodução a cada dois anos, igualmente em outras aves de rapina de grande porte do neotrópico (Del Hoyo et al. 1994).

Distribuição e subespécies: Ocorre desde o México, América Central, Colômbia, Venezuela, Guiana e Brasil (Del Hoyo et al. 1994). No Brasil a espécie ocorre na região norte e centro-oeste (Amazônia, norte do Maranhão até Mato Grosso do Sul, Goiás, extremo oeste da Bahia e noroeste de Minas Gerais). Há também um indivíduo registrado no Piauí (Alencar 2016), sendo sua ocorrência mais ao leste do Brasil.

São reconhecidas quatro subespécies:

  • P. a. ghiesbreghti: sul de México (Oaxaca e Veracruz), Guatemala e Belice;
  • P. a. costaricencis: Honduras, Panamá e leste da Colômbia;
  • P. a. williaminae: noroeste da Colômbia e extremo noroeste da Venezuela;
  • P. a. albicollis: Trinidad e Guyanas, oriente do Peru e Equador, norte e oriente da Bolívia ao norte do Brasil (Mato Grosso a norte do Maranhão).

Habitat e comportamento:Habita as florestas densas, principalmente em ambientes próximos a corpos d`agua. Normalmente vive solitário, nas horas mais quentes da manhã pode sobrevoar a floresta.

Movimentos: Espécie residente.

 



:: Página editada por: Willian Menq em Jan/2018. ::




Referências:

Alencar, L. G. (2016). [WA2211954, Pseudastur albicollis (Latham, 1790)]. Wiki Aves - A Enciclopédia das Aves do Brasil. Disponível em: <http://www.wikiaves.com/2211954> Acesso em: 28 Out 2017.

Booth-Binczik, S.D., G.A. Binczik, and R.F. Labisky. (2004). A possible foraging association between White Hawks and White-Nosed Coatis. Wilson Bulletin 116:101-103.

Del Hoyo .J., Elliot, A. E Sargatal, J. (1994) Handbook of the birds of the world (2 v). Bird Life International Lynx Editions. 638p.

Márquez, C., Gast, F., Vanegas, V. & M. Bechard. (2005) Aves Rapaces Diurnas de Colombia. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. 394 p

Sick, H. (1997) Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro. Nova Fronteira.

Zhang, S., & L. Wang. (2000) Following of brown capuchin monkeys by White Hawks in French Guiana. Condor 102: 198-201.

Site associado: Global Raptor Information Network

 

Citação recomendada:

Menq, W. (2018) Gavião-branco (Pseudastur albicollis) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/leucopternis_albicollis.htm > Acesso em: .



 
 

Distribuição Geográfica:

Status: (LC) Baixo risco

Chamado (gravado por: A. Bennett
Hennessey) by: xeno-canto.




Indivíduo adulto.
Brasília/DF, Junho de 2016.
Foto:
Celso B. Almeida
 

Indivíduo adulto. Presidente Figueiredo/AM. Ago. 2008.
Foto:
Marcelo Barreiros
 

Indivíduo adulto.
Manaus/AM, Dezembro de 2010.
Foto:
Hugo Viana
 

Indivíduo adulto.
Barra do Bugres/MT, Março 2010.
Foto: André Souza