< Carcará | Chimango >  
 

Carrapateiro Milvago chimachima (Vieillot, 1816)
Ordem: Falconiformes | Família: Falconidae | Politípica (2 subespécies)


Indivíduo adulto. Foto: Willian Menq

Falconídeo comum em todo o Brasil, encontrado em pastagens, campos naturais e periferia de áreas urbanas. É assim chamado devido ao hábito de pousar sobre o dorso de cavalos, capivaras e outros mamíferos à procura de carrapatos e outros parasitas. Também conhecido pelos nomes de caracará-branco, caracaraí, caracaratinga, carapinhé, gavião-pinhé, papa-bicheira, pinhé, pinhém, chimango-branco e chimango-carrapateiro e chimango-do-campo.


Descrição:
Mede de 40-45 cm de comprimento, peso de 277-335 g (macho) e 307-364 g (fêmea) (Bierreaard & Boesman 2013). Adulto possui a cabeça e corpo branco-creme, dorso marrom escuro quase preto e uma listra superciliar preta atrás dos olhos que se estende até a nuca. A cauda é longa com uma larga faixa terminal marrom-escuro. Em voo, é possível notar as asas longas com mancha branca na base das primárias; a cera e os tarsos varia do amarelo ao rosa-pálido. O jovem é todo marrom escuro, com estrias pardas no peito e barriga.

Aparentemente, há dimorfismo sexual nessa espécie. Segundo Valle (2015), a cor da cera pode estar relacionada ao sexo, sendo amarelo-brilhante no macho e rosa-pálido na fêmea. Estudos adicionais com sexagem de indivíduos de diferentes padrões de cor da cera poderão confirmar a hipótese.

Dieta e comportamento de caça: Oportunista, caça insetos, rãs, lagartos e matéria orgânica. Pode saquear ninho de outras aves, e também se aproximar de gado, cavalos e outros mamíferos, para retirar carrapatos, bernes e outros parasitas. Costuma aparecer em praias e estradas para se alimentar de animais mortos.

Camacho et al (2012) observaram a espécie capturando tanajuras (Atta sp.) em revoada sobre um fragmento florestal em Cachoeiras de Macacu, RJ. A espécie forrageava junto a outros rapinantes (Harpagus diodon, Heterospizias meridionalis e Rupornis magnirostris), sem nenhum comportamento agonístico entre as espécies, provavelmente devido à abundância de alimento local e efêmero.


Adulto catando carrapatos de uma capivara. Campinas/SP. Jun 2007. Foto: Ivan Sazima

Reprodução: Nidifica no alto de árvores. Coloca de 5 a 7 ovos pardo-amarelados com manchas pardas, com incubação de 21-23 dias. A fêmea encarrega-se da incubação sendo alimentada pelo macho. Após o nascimento dos filhotes o macho continua a alimentar a fêmea e esta, por sua vez, os jovens.

Distribuição e subespécies: Ocorre da América Central ao norte do Uruguai e da Argentina e em todo o território brasileiro (Sick, 1997). São conhecidas duas subespécies:

  • M. c. cordatus: sul da Costa Rica e Panamá, até a Colômbia, Guianas ao sul (oriente dos Andes) até Amazonas.
  • M. c. chimachima: leste da Bolívia, sul do Amazonas por todo o Brasil até o Paraguai, norte de Argentina e Uruguai.

Habitat e comportamento: Habita regiões campestres, normalmente encontrado em pastagens, savanas, campos com árvores esparsas e áreas urbanas. Frequentemente observado forrageando na beira de estradas e em áreas rurais, pousado no alto de árvores, mourões de cerca, postes ou no solo. Em voo, costuma emitir um som bastante característico, que soa como “pinhé”. É bastante territorialista, segundo Antas (2005) costuma manter um território de alimentação e reprodução, atacando os outros carrapateiros intrusos. O casal realiza, muitas vezes, voos de ataque conjuntos. Em situações de oferta concentrada de alimento, pousa próximo a outros carrapateiros.

Movimentos: Espécie residente.

 

:: Página editada por: Willian Menq em Abr/2018. ::

 


Referências:

Antas, P. T. Z. (2005) Aves do Pantanal. RPPN: Sesc.

Camanho, I.; Honorato, R. S.; Fernandes, B. C.; Boechat, R. F.; Souza-Filho, C. & Kanegae, M. F. (2012) Aves de rapina diurnas forrageando tanajuras (Atta sp.) em revoada em uma paisagem fragmentada de floresta atlântica, sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Ornitologia, 20(1), 19­21.

D'Angelo, G. B., M. E. Nagai & I. Sazima (2016) Relações alimentares de aves com capivaras (Hydrochoerus hydrochaeris) em parque urbano no Sudeste do Brasil. Pap. Avulsos Zool. 56(4): 33-43.

Ferguson-Lees, J. & D. A. Christie (2001) Raptors of the World. New York: Houghton Mifflin Company

Márquez, C., Gast, F., Vanegas, V. & M. Bechard. (2005) Aves Rapaces Diurnas de Colombia. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. 394 p

Sick, H. (1997) Ornitologia Brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira.

Valle, B. R. A. L. G. (2015) Possível dimorfismo sexual em Milvago chimachima (Vieillot, 1816) (Falconiformes: Falconidae). Atualidades Ornitológicas, 185: 24.

Site associado: Global Raptor Information Network

 

 

Citação recomendada:

Menq, W. (2018) Carrapateiro (Milvago chimachima) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/milvago_chimachima.htm > Acesso em: .



 
 

Distribuição Geográfica:

Status: (LC) Baixo risco

Chamado - (gravado por: Don Jones)
By: Xeno-canto.



Indivíduo adulto.
Ribeirão Grande/SP, Jun. 2015.
Foto:
Altevir Depetris
 

Indivíduo adulto.
Florianópolis/SC, Ago. 2010.
Foto:
Celuta Machado
 

Indivíduo jovem.
Carangola/MG, Jan de 2011.
Foto:
Celi Aurora
 

Indivíduo adulto predando anfíbio.
Iguaba Grande/RJ, Março de 2009.
Foto:
Luiz Freire
 

Indivíduo adulto.
Jateí/MS, Abril de 2015.
Foto: Willian Menq
 

Indivíduo jovem. Rio Negro - Aquidauana/MS, Maio de 2008.
Foto:
Jürgen Meier
 

Indivíduo adulto. São João da Boa Vista/SP, Novembro de 2009.
Foto: Lucas Tevez
 

Indivíduo adulto.
Carangola/MG, Julho de 2010.
Foto:
Celi Aurora