INICIO > ESPÉCIES DO BRASIL > GAVIÃO-CARAMUJEIRO  

Gavião-caramujeiro
Rostrhamus sociabilis (Vieillot, 1817)

Ordem: Accipitriformes
Família: Accipitridae
Grupo:
Gaviões-milano

Nome em inglês: Snail Kite
Habitat:
Brejos, banhados e rios
Alimentação:
Caramujos e Caranguejo-de-água-doce.

Distribuição no Brasil:



Status: (LC) Baixo risco


Macho adulto. Rio Grande/RS, Janeiro de 2015.
Foto: Willian Menq

Chamado de alarme (A) - (gravado por: Sjoerd Mayer)

Gavião de dieta bastante especializada, alimenta-se exclusivamente de caramujos. Pode ser encontrado em áreas úmidas, como rios, brejos, banhados e ambientes alagados, desde que ocorra caramujos. Ao contrário da maioria dos gaviões, esta espécie tem hábitos sociáveis, podendo se aglomerar em bandos imensos para mudar se deslocar entre as áreas de forrageio ou nidificando em colônias.

• Descrição: Mede de 39-48 cm de comprimento, peso de 304-385 g (macho) e 384-413 g (fêmea) (Bierregaard & Kirwan, 2013). A característica mais marcante da espécie é seu longo, fino e recurvado bico, especializado em arrancar o músculo dos grandes caramujos aquáticos, fixador do animal no fundo da concha. Há diferente de plumagem entre os sexos, o macho é todo preto com uma grande faixa branca na base da cauda e uma estreita ponta branca na mesma. Seus tarsos e cera são laranja-avermelhados (intensidade esmaecida fora do período reprodutivo), e íris vermelha. A fêmea apresenta a nuca, pescoço e dorso marrom-escuro com partes inferiores marrom estriado de creme. O jovem é parecido com a fêmea, apresenta a face, pescoço e partes inferiores creme mesclado com marrom e dorso marrom com manchas claras, especialmente nas coberteiras das asas. Em voo é possível observar sua cauda levemente bifurcada. Conhecido também como gavião-de-aruá.



Macho adulto. Osório/RS,
Outubro de 2009.
Foto: Lucas Schwertner

Fêmea adulta. Barra Falsa - Rio Grande/RS Dez 2009
Foto: Cláudio Dias Timm

Jovem consumindo caramujo. Tavares/RS, Jan 2013.
Foto:
Eduardo Ruivo


• Alimentação: É um predador especializado, alimenta-se quase que exclusivamente de caramujos do gênero Pomacea (Ampulariidae) (Sick, 1997). Além dos caramujos, pode consumir caranguejo-de-água-doce do Pantanal. Quando há redução natural da oferta de caramujos, os caranguejos são mais caçados (Antas, 2005). Localiza os caramujos pousado a partir de um poleiro ou realizando sobrevoos lentos sobre rios, lagos e áreas alagadas (Beissinger, 1983; Antas, 2005).

• Reprodução: Constrói ninhos em plataformas frágeis localizadas entre 1 e 4 m de altura, em arbustos ou árvores sobre a água, podendo nidificar em colônias (Sick, 1997; Antas, 2005). Coloca de 2 a 3 ovos brancos com manchas marrons, com período de incubação de 26-28 dias (Sick, 1997; Antas, 2005). Após 40-49 dias, os filhotes estão totalmente emplumados (Márquez et al. 2005).

• Distribuição Geográfica:
De ampla distribuição nas Américas, ocorre desde o Estados Unidos (Flórida) até o Uruguai, incluindo todo o Brasil (Sick, 1997).

• Subespécies: São conhecidas três subespécies R. s. plumbeus : Estados Unidos e Cuba; R. s. major: leste do México (Veracruz), Belize, Guatemala e El Salvador; R. s. sociabilis : Honduras e Nicarágua até o Panamá e por toda a América do Sul (região dos Andes, Colômbia, Equador, Uruguai, Argentina central e Brasil).

• Hábitos/Informações Gerais: Está associado a áreas úmidas, como rios, brejos, banhados e ambientes alagados, desde que ocorra caramujos. É um gavião sociável, em seus pousos noturnos, podem aglomerar-se em centenas de indivíduos (Antas, 2005). No pantanal, é comum vê-lo pousado em mourões de cerca e árvores próximas às margens de rios e alagados. Às vezes pode ser visto bandos de dezenas ou centenas de indivíduos em locais de caça ou pegando térmicas a procura de novas áreas de forrageio, há registros de bandos em voo com mais de 400 indivíduos, no rio das Mortes, leste do Mato Grosso (obs. pess. W. Menq).

• Movimentos migratórios: É parcialmente migratório, categorizado como "migrante austral parcial" (Bildstein 2006). Na maioria das regiões do Brasil é residente, com populações parcialmente migratórias no sul do país. Sick (1993) mencionou um bando de cerca de 1.000 gaviões-caramujeiros vistos em Sapucaia do Sul/RS, em outubro.



Macho adulto em voo.
Itumbiara/GO
Foto: Oderson Barbosa

Macho adulto consumindo caramujo.
Rio Grande/RS, Janeiro de 2015.
Foto: Willian Menq

Macho adulto. Rio Grande/RS
Dezembro de 2014.
Foto: Willian Menq



Macho adulto.
Rio Grande/RS, Janeiro de 2015.
Foto: Willian Menq

Bando em voo. Ribeirão Cascalheira/MT, Fev 2014.
Foto: Willian Menq

Macho adulto em voo.
Rio Grande/RS, Janeiro de 2015.
Foto: Willian Menq



:: Página editada por: Willian Menq em Mai/2016. ::


• Referências:

Antas, P. T. Z. (2005) Aves do Pantanal. RPPN: Sesc.

Bierregaard, R.O., Jr & Kirwan, G.M. (2013). Snail Kite (Rostrhamus sociabilis). In: del Hoyo, J., Elliott, A., Sargatal, J., Christie, D.A. & de Juana, E. (eds.) (2013). Handbook of the Birds of the World Alive. Lynx Edicions, Barcelona. (retrieved from http://www.hbw.com/node/52971 on 7 May 2015).

Beissinger, S. R, (1983) Hunting behavior, prey selection, and energetics of snail kites in Guyana. Auk, v. 100, p. 84 - 92, January.

Bildstein, K.L. (2006) Migrating raptors of the world: their ecology and conservation. Cornell University Press, Ithaca, NY.

Márquez, C., Gast, F., Vanegas, V. & M. Bechard. (2005) Aves Rapaces Diurnas de Colombia. Bogotá: Instituto de Investigación de Recursos Biológicos Alexander von Humboldt. 394 p.

Sick, H. (1997) Ornitologia brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 862p.

Sick, H. (1993) Birds in Brazil: a natural history. Princeton University Press, Princeton, NJ.

• Site associado: Global Raptor Information Network (em inglês)

• Citação recomendada:

Menq, W. (2016) Gavião-caramujeiro (Rostrhamus sociabilis) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/rostrhamus_sociabilis.htm > Acesso em: