INICIO > ESPÉCIES DO BRASIL > CORUJINHA-SAPO  

Corujinha-sapo
Megascops atricapilla (Temminck, 1822)

Ordem: Strigiformes
Família:
Strigidae
Nome em inglês:
Black-capped Screech-Owl
Habitat:
Florestas e borda de matas
Alimentação:
Insetos e pequenos vertebrados.

Distribuição no Brasil:



Status:(LC) Baixo risco
Endêmica da Mata Atlântica


Indivíduo adulto. Florianópolis/SC, Agosto de 2012.
Foto: Matias H. Ternes

Vocalização típica (B) - (gravado por: Tim Hirsch)

• Descrição: Coruja pequena, mede 24 cm de comprimento e peso de 115-140 g (Holt et al. 1999). O adulto apresenta dorso marrom, partes inferiores creme com finas estrias escuras, face marrom com borda do disco facial mais escura. Há também uma variação de plumagem ruiva, e uma terceira cinzenta. A cor da íris pode variar entre amarelo ao laranja e marrom. Morfologicamente é muito semelhante as outras Megascops da mesma área de ocorrência (M. choliba e M. sanctaecatarinae), sendo a vocalização o meio mais confiável na identificação da espécie.

• Alimentação: Caça insetos, como besouros, cigarras, gafanhotos e mariposas, além de pequenos vertebrados, capturados geralmente após investida a partir de um poleiro. Também desce ao solo com frequência a procura de presas entre as forragens (Holt et al. 1999).

• Reprodução: Seu hábito reprodutivo é similar ao da corujinha-do-mato (Megascops choliba). Utiliza ocos de árvores e ninhos abandonados por outras aves, como de bem-te-vi para nidificar. O período de nidificação e postura é entre setembro e novembro. Normalmente coloca 2-3 ovos brancos que são incubados pela fêmea, durante esse período o macho é responsável por levar alimento para a fêmea (Holt et al. 1999; Konig & Weick, 2008).

Em setembro de 2012, um casal foi registrado usando um ninho abandonado para nidificar (obs. pess. Matias H. Ternes). O ninho, construído de gravetos e ramos secos, estava localizado a pouco mais de 4 metros do solo. Foi possível observar a corujinha levando insetos ao ninho, como baratas, esperanças e gafanhotos.

• Distribuição Geográfica: Ocorre da Bahia até Santa Catarina, incluindo a região Centro-Oeste (Goiás e Mato Grosso do Sul) (Sigrist 2009), leste do Paraguai e Argentina (Missiones) (Holt et al. 1999).

• Hábitos/Informações Gerais: Endêmica da Mata Atlântica, vive no interior de florestas densas, eventualmente pode aparecer em bordas de florestas e áreas urbanas densamente florestadas (Menq & Anjos 2015, Menq 2016). Encontrada geralmente em terras baixas, de até 600 m de altitude, porém podem ultrapassar este limite se o ambiente favorecer (Konig & Weick, 2008). Estão ativas nos primeiros minutos da noite, são bem detectáveis e respondem muito bem ao playback.

Dorme durante o dia em cavidades naturais ou camuflada na densa vegetação. Estudos de avaliação taxonômica (Barnett et al., in prep.) têm indicado que a forma nordestina de M. atricapilla apresenta diferenciações vocais e morfométricas de seu representante meridional e, possivelmente, pode  representar uma espécie separada do complexo atricapilla (Roda & Pereira 2006).




Indivíduo adulto. Macaé/RJ, Outubro de 2009.
Foto:
Wilfred Rogers

Indivíduo adulto. Florianópolis/SC, Julho de 2012.
Foto: Matias H. Ternes



Corujinha-sapo levando uma barata para os filhotes no ninho. Florianopolis/SC. Foto: Matias H. Ternes

Corujinha-sapo dormindo no ninho. Florianópolis/SC, Outubro de 2012. Foto: Matias H. Ternes


 

:: Página editada por: Willian Menq em Mai/2015. ::


• Referências:

Del Hoyo, J.; Elliot, A. & Sargatal, J. (1994) Handbook of the birds of the world. v. 2. Barcelona: Lynx Edicions.

Holt, W., Berkley, R., Deppe, C., Enríquez Rocha, P., Petersen, J.L., Rangel Salazar, J.L., Segars, K.P. & Wood, K.L. (1999) Species acounts of Strigidae. Em: Del Hoyo, J., A. Elliott, e J. Sargatal, (eds.) Handbook of the birds of the world. Volume: 5: barn-owls to hummingbirds. Barcelona, Espanha. Lynx Edicions. 759p.

Konig, C. & Weick, F. (2008) Owls of the world. Segunda Edição. New Haven, Connecticut: Yale
University Press.

Menq, W. & Anjos, L. (2015) Habitat selection by owls in a seasonal semi-deciduous forest in southern Brazil. Brazilian Journal of Biology. v. 75(4.1):143-149.

Menq, W. (2016) Aves de rapina da Mata Atlântica - Aves de rapina Brasil (publicações online). Disponível em: <http://www.avesderapinabrasil.com/arquivo/artigos/avesderapina_mataatlantica.pdf> Acesso em setembro de 2016.

Roda S. A. & Pereira, G. A. (2006) Distribuição recente e conservação das aves de rapina florestais do Centro Pernambuco. Revista Brasileira de Ornitologia 14 (4) 331-344.

Sigrist, T. (2009). Guia de Campo: aves do Brasil. Avis Brasilis p.103.

 

• Citação recomendada:

Menq, W. (2016) Corujinha-sapo (Megascops atricapilla) - Aves de Rapina Brasil. Disponível em: < http://www.avesderapinabrasil.com/megascops_atricapilla.htm > Acesso em: